Os computadores estão presentes em nossa rotina de trabalho e de estudos, não é mesmo? Essas máquinas possuem várias pecinhas essenciais para um bom funcionamento, e entre elas está o chip, dispositivo que permite que o computador execute todas as tarefas comandadas pelo usuário. Por exemplo, os toques no teclado são organizados numa ordem, que é transformada em vários impulsos elétricos.

O chip é composto por vários transistores bem pequenos feitos de silício, mineral que, conforme exista a presença ou não de corrente elétrica, muda de comportamento. Ele armazena dados e realiza as operações para o computador funcionar direitinho. Quer saber mais sobre o funcionamento de um chip? Acompanhe o texto!

Composição

Você já deve ter ouvido falar sobre a importância da placa mãe para um computador, já que ela é responsável por conectar todas as peças da máquina. Nela, há vários tipos de chips que são bastante importantes. Ao olhar um chip por fora, ele é apenas um pequeno quadrado preto, mas isso é só a “capa” de toda a parte funcional: os transistores. Essas partes possuem três filamentos metálicos, chamados de emissor, base e coletor. 

Também há camadas de silício, que permite a passagem da corrente elétrica, como falamos no começo do texto. Elas são de dois tipos: “N” (negativo), com átomos como fósforo e elétrons extras, e “P” (positivo), com átomos como boro e poucos elétrons. É comum os transistores formarem camadas com o formato “N-P-N”.

Funcionamento

Quando você está usando o computador, sempre ordena alguma função. Dessa forma, podem acontecer duas coisas: (1) a ordem, nos transistores, não modificar nada, pois os elétrons de silício do tipo “P” ficam dispersos, o que faz com que a corrente não passe do emissor; e (2) uma carga positiva ser disparada na base do transistor. Assim, os poucos elétrons que se encontram no silício tipo “P” são atraídos, formando uma ponte de elétrons entre emissor e coletor, gerando uma corrente elétrica entre os dois polos.

A cada comando, são acionados pelo menos oito transistores, e os diferentes pulsos de energia chegam às bases dos filamentos metálicos, que permitem ou não passagem de corrente. E como funciona essa corrente? Bom, quando o transistor está ligado, ele é representado pelo número 1 na linguagem do computador, e quando não ocorre a passagem de corrente, pois o transistor está desligado, é representado pelo número 0. 

Bits e bytes

O chip interpreta esses números (0 e 1) como “bit” e o conjunto de 8 bits forma um “byte”, unidade básica de informação para o computador trabalhar. Para que ocorra a troca de dados entre as máquinas, existe um código de bytes com 256 combinações que representam todas as letras, símbolos e números que você usa no computador. Quem faz essa transformação são os sistemas operacionais, que você deve conhecer como Linux ou Windows, por exemplo. Eles traduzem os comandos enviados para o computador e mandam o chip enviar a informação, que surgirá no monitor em milésimos de segundo, para a placa de vídeo.

Curiosidade: o transistor foi inventado em 1947, mas foi apenas em 1971 que a Intel criou o primeiro chip, colocando mais de 2 mil transistores numa pecinha de 3 por 4 milímetros. 

Incrível como uma pecinha tão pequena pode ser tão importante para usarmos o computador no trabalho ou para diversão, né? Agora, enquanto o usa, lembrará de como tudo funciona! Continue acompanhando o nosso blog e veja mais posts sobre tecnologia:

Linha do tempo: conheça todas as versões do Android

6 fatos que mostram como a tecnologia mudou nossa vida em 10 anos

Venha para a Prepara!

Quer garantir um futuro ainda mais brilhante? Conheça os cursos profissionalizantes da Prepara e esteja pronto para o mercado de trabalho!